Mostrando todos os artigos em Dicas
ago
6

Comunicação em tempos de internet

Author Mateus Rodrigues    Category Dicas     Tags , ,

Proprietários de clínicas e consultórios devem recorrer às novas tecnologias para melhorar seus canais de comunicação com os públicos de interesse (clientes, funcionários, fornecedores e parceiros). Esses meios já são mais que comuns na vida dos brasileiros, e se você ainda não aderiu essas ferramentas, corra e ganhe tempo! Conheça abaixo alguns dos canais mais utilizados atualmente.

Chat
O atendimento via chat pode resolver questões rápidas como dúvidas, pedidos de materiais, marcação e confirmação de consultas.

SMS
Muitas clínicas já adotaram o SMS para confirmação de consultas, mensagens de aniversário, anunciar novos serviços e ações personalizadas.

Facebook
Hoje em dia as pessoas passam mais tempo navegando no facebook do que qualquer outra coisa, se tornou uma febre mundial. É importante acompanhar este comportamento e criar uma conta para sua clínica. Hora de fortalecer sua relação com os clientes, funcionários, fornecedores e parceiros.

Twitter
Com o excesso de informação é natural que as pessoas comecem a filtrar o tipo de conteúdo que desejam acompanhar na internet. Com o Twitter você pode conquistar seguidores e manter uma relação constante e duradoura.

E-mail
O e-mail é um dos canais mais indicados atualmente para manter contato com os clientes. Para receber informações sobre novos serviços, benefícios e promoções, 72% dos consumidores brasileiros preferem o e-mail.

Site
O site é a continuação da sua clínica no mundo virtual, se ele não existe é como se você e a sua clínica não existissem no mundo real. Busque desenvolver um site que traduza exatamente a essência da sua clínica.

Blog
O blog tem um formato mais informal, dando à clínica uma imagem mais humana, ou seja, a clínica e os profissionais perdem aquela imagem de “intocáveis” oferecendo oportunidade de interação com seus clientes, parceiros e colaboradores.

Elogie Aki
O Elogie Aki é um site onde o consumidor pode deixar elogios a marcas, empresas e profissionais dos mais variados segmentos.

Reclame Aqui
O Reclame Aqui é um site que publica críticas e reclamações de consumidores sobre marcas, empresas e profissionais dos mais variados segmentos. Corra, porque neste exato momento, alguém pode estar falando algo sobre você ou sobre a sua clínica.

Muitos sorrisos e até o próximo post!

ago
2

O que é mordida profunda ou sobremordida? É preciso corrigir?

Author Mateus Rodrigues    Category Dicas     Tags ,


Mordida profunda ou sobremordida ocorre quando o dente superior recobre o dente inferior por mais de 2 mm e é considerada patológica (necessita de tratamento), quando supera a marca de 3 ou 4mm, tornado-se prejudicial às funções mastigatórias e estéticas.

Em muitos casos, ao olhar quase não conseguimos ver os dentes inferiores ou eles aparecem muito pouco. Também há situações em que o dente inferior chega a tocar o céu da boca, traumatizando a mucosa, fazendo feridas que promovem dor e desconforto.

Geralmente é causada por alterações de crescimento e ou posicionamento  dos ossos maxilares (maxila e mandíbula), dos dentes e processo alveolar. Ocorre também por modificações nas funções de língua, lábios e bochecha.

O tratamento pode ser:

– Ortopédico funcional – através do uso de aparatologia fixa ou móvel que modifiquem condições ósseas e melhorem a estética do sorriso e funções mastigatórias.

– Ortodôntico – com o uso de aparelho fixo que alteram posições de dentes e osso alveolar (que suporta os dentes).

– Protético – uso de coroas ou próteses que melhorem a oclusão (mordida) e sorriso.

– Cirúrgia Buco-maxilo-facial: quando se faz o reposicionamento cirúrgico  de ossos e dentes.

– Terapias combinadas

Obs: em alguns casos são necessários tratamento multidiscilplinares, envolvendo fonoaudiologia, otorrinolaringologista, fisioterapeutas e outros


via Dr. Patricia Pimentel Pessi / Odontologando

Até o próximo post!

jul
25

Cirurgião-dentista, será que o Facebook é confiável?

Author Mateus Rodrigues    Category Dicas     Tags ,

Ainda existem muitos dentistas que não estão conversando com seus clientes nas mídias sociais. Você é um deles? Será que falta um pouco de confiança para compartilhar alguns dados profissionais na internet com seus futuros clientes?

Bom, é importante saber que esta insegurança não é um sentimento tão anormal assim.

Uma pesquisa recente mostrou que apenas um em cada três usuários confiam na forma como o Facebook lida com os dados das pessoas cadastradas no site. O estudo contou com a participação de 2.262 americanos e foi feito pela empresa de pesquisas Harris Interactive por meio da internet.

A pontuação do Facebook foi a mais baixa, além de ficar atrás de outros sites com o Google e Amazon, quando foi avaliada a confiança dos usuários.

Será que você, cirurgião-dentista, deve então se conectar ao Facebook e utilizá-lo para agregar valor à sua marca, aos seus serviços?

Sem dúvidas!

As vantagens ainda são muito superiores às desvantagens desta mídia social. A mídia social perfeita ainda não existe, por isso, é preciso entender bem onde se está pisando. Caso precise de uma consultoria neste assunto, visando a inserção de uma marca nas mídias sociais, deve procurar por uma empresa que possui experiência neste assunto!

Conecte-se!

via Odonto Mídias

jul
21

Higiene dos espaços entre os dentes

Author Mateus Rodrigues    Category Dicas     Tags , , ,

A importância da higiene dos espaços entre dentes vai muito além do que as pessoas imaginam.

A cultura popular e os erros conceituais de educação em higiene pessoal fazem com que muitos profissionais de saúde e formadores de opinião apresentem a escova comum e a pasta de dentes como as principais ferramentas para a limpeza bucal e entendam que o fio dental (ou outro recurso de higiene dos vãos entre dentes) atuem como complementos da higiene, o que não é verdade.

Em 1980 Bergenholtz & Britton demonstraram que o uso de escova e pasta de dentes não era capaz de eliminar depósitos de bactérias alojados nos vãos dos dentes.

Agravando esse achado, em 1979, Hugoson & Koch demonstraram que a população que investigavam e que, ao longo da vida, entendia que a escova e a pasta eram indispensáveis e os recursos de higiene dos vãos dos dentes meros complementos e, por isso, passíveis de “descontos” frente ao uso frequente, tinha sinais mais claros e localizados da doença periodontal nos espaços entre dentes. Objetivamente, esses pacientes dispunham de mais registros de sangramento das gengivas e de perdas ósseas nos espaços entre dentes quando comparados com as áreas atingidas pela escova comum.

Em 1998, Kinane reiterou esse estudo, acrescentando que o risco de cáries é mais intenso nas fissuras e vãos dentários do que nas superfícies livres e lisas dos dentes. Assim estipulou que a higiene dos vãos dos dentes é tão ou mais fundamental a saúde bucal do que determinava o velho pensamento coletivo.

Sem dúvida o desenho anatômico dos vãos dos dentes, suas variações de tamanho (por vezes em uma mesma arcada) facilitam a retenção e perpetuação de alimentos pegajosos ou de nutrientes que facilitam a sobrevida da placa bacteriana nesses espaços.

Durante a história, os seres humanos sempre lançaram mão da criatividade para remover restos de alimento dos vãos dos dentes. Para tanto, usavam gravetos e uma série de objetos que suprissem essa demanda.

Em 1815, o dentista americano Levy Spear Parmly, fez um fio de seda para a remoção desses depósitos que ficavam entre os dentes. Sentindo o quanto reclamavam e sofriam de problemas os seus pacientes, passou a recomendar que usassem o seu próprio fio dental, feito de seda, que ele mesmo preparava e entregava aos usuários do seu ambiente de trabalho.

A produção em escala industrial só veio em 1888, com a empresa Codman & Shurtlef. Em 1898, a Johnson & Johnson passou a ter a primeira patente. Após a Segunda Guerra Mundial, o uso do fio dental se disseminou pelo mundo. Foi nessa época que Charles C. Bass desenvolveu o fio de nylon, mais resistente e elástico. Hoje, há no mercado uma grande variedade de tipos, marcas e sabores. No Brasil, o consumo de fio dental já passa de um bilhão de metros por ano.

Apesar disso, conforme o relatado anteriormente, os problemas de saúde bucal não deixaram de existir. Tal qual o velho dentista americano, muitos outros estudiosos passaram a investigar novas ferramentas que pudessem cumprir um papel ainda mais eficaz que o do fio dental na remoção dos depósitos e das bactérias que frequentemente se alojam nesses vãos de dentes.

Em 1965 Henning Eklund fundava uma empresa sueca que se habilitava a produzir e comercializar um tipo diferenciado de palito de madeira para a melhor higiene dos vãos dos dentes. Isso ocorreu pois uma série de estudos científicos demonstraram que todos os dentes ( em maior ou menor escala ) apresentam ranhuras ou concavidades nas suas paredes próximas aos dentes vizinhos, que não eram alcançadas pelo fio dental.

Em 1973 a TePe produziu a sua primeira escova de dentes comum e o fio dental. Paralelamente a isso, ao longo da década de 70, Gjermo e Flötra compararam a eficácia de três métodos previstos a higiene dos vãos de dentes e que investigavam na Noruega. Os resultados apontaram para a superioridade de uma haste metálica revestida de cerdas, quando comparada ao palito e ao fio dental, no que diz respeito a eliminação de bactérias, restos alimentares e controle de sinais clássicos das doenças bucais.

Apesar de já existirem registros, foi somente no final dos anos 1980 que as escovas interdentais adentraram o grande mercado de consumo. A TePe, como uma das precursoras desse recurso, aguardou os excelentes resultados das repetidas investigações clínicas a que submeteu o seu protótipo de interdentais, para só então comercializá-lo, à partir desta fase.

Rapidamente se tornou líder de mercado no segmento e representa a única marca mundial que dispõe de variedades de calibre capazes de atender a demanda de praticamente todos os pacientes.

Em termos práticos o fio dental segue indicado as situações em que a papila de gengiva preencha totalmente os vãos dos dentes (situação pouco comum em adultos acima de 30 anos).

Sem dúvida a escova interdental cresceu em importância e pode levar a uma situação clínica bem mais virtuosa e compatível com saúde dos dentes, gengivas e o bom hálito.

Fonte: Revista Odonto Magazine

Até o próximo post ;-)

jul
4

Seus pacientes estão nas redes sociais!

Author Mateus Rodrigues    Category Dicas     Tags ,

Prezado cirurgião-dentista, não mentimos nos outros posts quando falamos que as mídias sociais podem ser uma surpresa muito agradável em seu consultório.

Mas como conseguir uma boa imagem e que este investimento de tempo se transforme em resultados palpáveis?

Caso não esteja habituado a pensar e planejar esta investida por meio das mídias sociais, é importante reconhecer que outros podem lhe ajudar. Certos detalhes não são tão importantes, entretanto, a mensagem a ser passada e fazer com que seu futuro cliente saiba que você existe passam a ser os objetivos maiores quando se quer ser descoberto!

Hoje, sua marca não é mais o que você diz sobre ela. Este conceito agora conta com a colaboração de futuros clientes que conversam e auxiliam na formação da imagem e distribuição de sua mensagem. Aí está a importância de proporcionar boas experiências aos seus pacientes cativos.

É importante manter o máximo de contato com os seus pacientes. É preciso atenção, pois as mídias sociais são apenas algumas destas formas de contato, mas, se bem utilizadas, fazem com que o conteúdo compartilhado dê o seu recado.

Assim, minha dica para você é: produza. Utiliza-se de todo o “arsenal midiático” disponível para dar o seu recado e não deixar dúvidas, pelo contrário, tente eliminá-las!

Conecte-se!

Fonte: Odonto Mídias

Até a próxima!